Para onde caminha a tradução?

Eloá Catarine Pinto Teixeira

Resumo


O artigo traz uma discussão sobre o rumo que têm tomado os estudos em tradução na perspectiva dos estudos culturais. Discute-se o mito de Babel sob a ótica desconstrutivista com vistas a ampliar o debate sobre o papel da tradução na construção da identidade do sujeito pós-moderno. A noção de Stuart Hall de que a pós-modernidade descentralizou não só o sujeito, mas a própria noção de identidade cultural serve de ponto de partida para essa análise.  Discute-se ainda a noção de Lawrence Venuti de que a tradução seria um exercício ao mesmo tempo de domesticação e estranhamento, que define os limites em que a subjetividade é construída. Processo esse que se dá na medida em que novos elementos externos são introduzidos numa dita cultura local, seja por violência seja por assimilação. Nesse panorama, a língua é percebida como elemento de identificação cultural, sendo assim um espelho das transformações geradas pela presença estrangeira numa dada cultura.

 

Palavras-chave: tradução; mito de Babel; estrangeiro; identidade; estudos culturais.

 

 Où marche la traduction?

 

Résumé

L’article apporte une discussion sur la direction prise par les études en traduction à partir de la perspective des études culturelles. On aborde le mythe de Babel selon le regard de Derrida visant à élagir le débat sur le rôle de la traduction dans la construction de l’identité du sujet postmoderne. La notion de Stuart Hall que la postmodernité a décentré non seulement le propre sujet, mais la notion même de l’identité culturelle est le point de départ de cette analyse. On interroge aussi la notion de Lawrence Venuti que la traduction serait un exercice en même temps de “domestication” et “étrangeté”, qui définit les limites où cette subjectivité est construite. Ce processus a lieu chaque fois que de nouveaux éléments externes sont introduits dans une culture locale, soit par violence, soit par assimilation. Dans ce panorama, la langue est perçue comme un élément d’identification culturelle, étant de ce fait un miroir des transformations générées par la présence étrangère dans ladite culture.

 

Mots-clés: traduction; mythe de Babel; étranger; identité; études culturelles. 


Palavras-chave


tradução; mito de Babel; estrangeiro; identidade; estudos culturais

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, Lauro Maia. Tradução e adaptação: reescrevendo os limites da transgressão. In: Tradução e adaptação: encruzilhadas da textualidade em Alice no País das Maravilhas de Lewis Carrol, e Kim, de Rudyard Kipling. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2005.

DERRIDA, Jacques. Torres de Babel. Trad. Junia Barreto. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG, 2006.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed.Trad. Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

PLAZA, Julio. A tradução como poética sincrônica. In: Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 2003.

RICHARD, Nelly. Citar a violência; a rotina oficial e as convulsões do sentido. In: Intervenções críticas; arte, cultura, gênero e política. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002. p. 75-92.

RICOEUR, Paul. Sobre a tradução. Trad. Patrícia Lavelle. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2012.

__________. A memória, a história, o esquecimento. Trad. Alain François et al. Campinas: UNICAMP, 2007.

RODRIGUES, Cristina Carneiro. O doméstico e o estrangeiro. In: COSTA, Luiz Angélico da. (org.). Limites da Traduzibilidade. Salvador: EDUFBA, 1996.

SHNEIDER, Michel. Ladrões de palavras: ensaio sobre o plágio, a psicanálise e o pensamento. Trad. Luiz Fernando P. N. Franco. Campinas: Editora da UNICAMP, 1990.

STEINER, George. Presenças verdadeiras. In: Nenhuma paixão desperdiçada. Trad. Maria Alice Máximo. Rio de Janeiro: Record, 2001.

___________. Depois de Babel: questões de linguagem e tradução. Trad. Carlos Alberto Faraco. Curitiba: Editora UFPR. 2005.

VENUTI, Lawrence. Escândalos da tradução. Por uma ética da diferença. São Paulo: EdUSC, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rónai está cadastrada nos seguintes indexadores: DiadorimLivReLatindexEBSCOREDIBMLA