Textus quaerens doctrinam: o discurso metalinguístico e suas relações com saberes atuais sobre as línguas e a linguagem

Dr. Marcos Aurelio Pereira

Resumo


Embora se tenha feito de modo característico e por vezes bastante discrepante em diversas épocas consideradas, o estudo da linguagem data de muito antes do surgimento da moderna Linguística, ainda que muitos manuais modernos dessa área de pesquisa insistam em situar seu nascimento na Antiguidade greco- romana (cf Lyons, Robins, Weedwood etc). Para a ciência atual, na verdade, os textos antigos não apenas documentam sua origem, mas também servem amiúde como campo de prova de teorias modernas. Por outro lado, reconhecendo a importância de antigos textos gramaticais, por exemplo, a Linguística se mostra, às vezes, contra posições antigas, anacronisticamente tidas por equivocadas (cf Casevitz & Charpin etc). . Pretendemos, aqui, no âmbito dos estudos realizados por nosso grupo de pesquisa, pensar em modos possíveis de abordar, mantendo cabível distância entre formulações antigas e modernas, ainda que do ponto de vista de teorias mais recentes, fenômenos já tratados, mesmo diversamente, em textos antigos (cf Auroux, Baratin etc). 

 

Palavras-chave: discurso metalinguístico, gramática antiga, teorias linguísticas


Palavras-chave


discurso metalinguístico, gramática antiga, teorias linguísticas

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, N. M. “O ensino da gramática entre os romanos”. O Estado de S. Paulo, 21/02/1981, p. 3[?]

ARISTÓTELES; HORÁCIO; LONGINO. A poética clássica. Introd. Roberto O. Brandão; trad. Jaime Bruna. 15. ed. São Paulo: Cultrix/USP, 1997.

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. Trad. Eni Orlandi. Campinas: Unicamp, 1992

BARATIN, M. La naissance de la syntaxe à Rome. Paris: Minuit, 1989

CASEVITZ, M. & F. CHARPIN. “A herança greco-latina”. In: BAGNO, M. Norma lingüística. São Paulo: Loyola, 2001, p. 23-53

HAYES, B. A metrical theory of stress rules. Nova York/Londres: Garland, 1985

LYONS, J. Introdução à lingüística teórica. Trad. Rosa V. M. Silva e Hélio Pimentel. Sup. Isaac N. Salum. São Paulo: Nacional/EdUsp, 1979

MOUNIN, G. História da linguística: das origens ao século XX. Trad. F. J. H. Rêgo. Porto: Despertar, ca. 1970

PEREIRA, M. A. “A ‘estranheza’ dos antigos, ou: para que serve a Antigüidade? Sobre certa leitura de Quintiliano pelos ‘modernos’”. Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antigüidade. Campinas: IFCH/UNICAMP, N.º 22/23, 2007, p. 175-199

PEREIRA, M. A. Quintiliano gramático: os capítulos gramaticais da Institutio oratoria e o papel do mestre de Gramática. 2. ed. São Paulo: Humanitas, 2006

ROBINS, R. H. Pequena história da lingüística. Trad. Luiz M. M. Barros. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1979

WEEDWOOD, B. História concisa da lingüística. São Paulo: Parábola, 2005

WINTERBOTTOM, M. (ed.) M. Fabi Quintiliani Institutionis oratoriae libri XII. Oxford: Clarendon, 1989, 2 vol.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rónai está cadastrada nos seguintes indexadores: DiadorimLivReLatindexEBSCOREDIBMLA