Hero e Leandro, de Museu: Uma lenda e uma arte que ultrapassam o tempo

Andreza Caetano

Resumo


Mitos como o de Hero e Leandro já eram conhecidos e bastante divulgadas antes mesmo do nascimento de Museu, um autor enigmático devido à pouca referência que dele nos chegou. Buscamos aqui tratar brevemente este enlace amoroso e os muitos obstáculos que permeavam a imaginação e os costumes de povos muito antigos. Hero teria sido uma sacerdotisa de Afrodite que vivia em uma torre em Sesto, e Leandro, um jovem de Abidos – um povoado situado do outro lado do estreito de Dardanelos. Em primeiro lugar, tentaremos expor informações a respeito da época, do autor e do mito de Hero e Leandro, na obra de Museu, especialmente, mas também em outros autores, discutindo a importância de Eros na relação amorosa na antiguidade. Em seguida, passaremos por uma discussão acerca da criação do mito – que poderia ter fundamentos etiológicos ou poderia estar baseado nas relações humanas –, e analisaremos a difusão na Idade Média e como o amor trágico se perpetuou no imaginário popular e ainda exerce fascínio em nossos tempos.

 

Palavras-chave: Hero e Leandro. Museu. Mito Grego. Romantismo.

 

Abstract

Myths like Hero and Leander was already known and plenty publicized even before Musaeus birth, an enigmatic writer due to the little reference that reached us. We seek to address here briefly this intertwining love and many obstacles that permeated the imagination and customs of very old communities.  Hero was possibly a priestess of Aphrodite who lived in a tower in Sestos, and Leander, a young man from Abydos – a thorp in the opposite side of the strait of Dardanelles. Primarily, we will try to expose information about the time of the author and the myth of Hero and Leander, in the work of the Musaeus, especially, but also in the work of other authors, discussing the importance of Eros in loving relationships in antiquity. Then we will go through the discussion of myth – that could have etiological grounds or be based on human relationships – and we will analyze the spread of the Myth in the Middle Ages and how this tragic love was perpetuated in the popular imagination and how it still holds fascination in our times.

 

Keywords: Hero and Leander. Musaeus. Greek myths. Romanticism.


Palavras-chave


Hero e Leandro; Museu; Mito Grego; Romantismo

Texto completo:

PDF

Referências


ADRADOS, Francisco R. Sobre los géneros literarios en la literatura griega. Anuario de la Sociedad Española de Literatura General y Comparada. Anuario I, 1978, Sociedad Española de Literatura General y Comparada, Madri. Alicante: Edição digital. p. 159-172. Disponível em < http://dialnet.unirioja.es/servlet/revista?codigo=1>. Acesso em: 15/12/2012

ALSINA, José Clota. Panorama de la épica griega tardía. Estudios Clásicos, v. 16, nº 65, p. 139-167, 1972.

ANTOLOGIA Palatina. Epigramas helenísticos. Tradução de Manuel Fernández–Galiano. Madri: Editoria Gredos, 1978.

BÍBLIA. Português. A Bíblia Sagrada. Tradução de João Ferreira de Almeida. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 1993.

BRANDÃO, Jacyntho Lins. A invenção do romance. Brasília: Editora Universidade de Brasilia, 2005.

CALÍMACO. Himnos, epigramas y fragmentos. Introducciones, traducciones y notas de Luiz Alberto de Cuenca Y Prado, y Máximo Brioso Sánchez. Editorial Gredos: Madrid, 1980.

CAMERON, Alan. Wandering poets: A literary Movement in Byzantine Egypt, Historia: Zeitschrift für Alte Geschichte. v. 14, n. 4, p. 470-509 (Out., 1965). Disponível em: . Acesso em 10 fev. 2013.

DE LA FUENTE, David Hernández. Bakkho Anax: Un estudio sobre Nonno de Panópolis. Madrid: Nueva Roma. Consejo Superior de Investigaciones Científicas. 2005.

GUARDATI, Tommaso. The tale of Mariotto and Ganozza by Musaccio Salernitano. In: Romeo and Juliet legend. Olyn H. Moore (org.). Ohio: The Ohio State university Press. Columbus, 1950, p. 35-42.

HÄGG, Tomas. The Novel in Antiquity. Berkeley and Los Angeles: University of California Press, 1983.

HESÍODO, Teogonia: A origem dos deuses. Tradução de JAA Torrano. São Paulo: Editora Iluminuras, 1995.

HOPKINGSON, Neil. Greek poetry: of the imperial period. An anthology. Cambridge: Cambridge University Press. 1994.

HOPKINS, Keith. Conquistadores y esclavos. Barcelona: Peninsula, 1981.

LESKY, Albin. Historia da literatura grega. Tradução de Manuel Losa. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1995.

LIDDELL, Henry George; SCOTT, Robert. A Greek English Lexicon. Oxford: Claridon Press, 1996.

MARLOWE, Christopher. Hero y Leandro. Tradução de Antonio Rivero Taravillo. Espanha: Ediciones La Palma, 2009.

MOMIGLIANO, Arnaldo. El conflicto entre paganismo y el cristianismo en el siglo IV. Madrid: Alianza, 1989.

_____________________. Os limites da helenização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1991.

MUSAEUS, Hero and Leander. Editado por Thomas Gelzer, tradução de Cedric Whitman. Cambridge, Massachusetts, London: Harvard University press, 1975.

___________. Hero £ Leander. Tradução de E. E. Sink. Londres: METHUEN & CO. LTD. 1920.

___________. Ero e Leandro. Tradução de Guido Paduano. Veneza. Marsilio Editori: 1994.

SANTA BÁRBARA, Maria Leonor. Representações do amor. Metacrítica: Revista de Filosofia. nº 6. Portugal: Edições Universitárias Lusófonas, 2005. Tristão e Isolda. Trad. Maria dos Anjos Braamcamp Figueiredo. 3ª Ed. Portugal: Publicações Europa-América Ltda, Ago, 2000.

VILLARRUBIA, Antonio. Notas sobre El poema Hero y Leandro de Museo. Habis, n. 31. Sevilha: Universidad de Sevilla, 2000, p. 365-401.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rónai está cadastrada nos seguintes indexadores: DiadorimLivReLatindexEBSCOREDIBMLA